Enxaqueca em crianças  e adolescentes (cefaleia)

Enxaqueca em crianças e adolescentes (cefaleia)

0 Comentário
Doenças

Hoje iremos falar sobre a enxaqueca na infância e as síndromes que aparecem nesse período mas que pode se tornar enxaqueca na idade adulta.
A enxaqueca não é apenas uma dor de cabeça. É uma doença neurológica, com dor de cabeça e sintomas associados, tais como náuseas, vômitos, tonturas, sensibilidade ao toque, som, luz e odores, dor abdominal e alterações de humor.
A enxaqueca é muito comum em crianças – cerca de 10% das crianças em idade escolar sofrem com a dor na cabeça, antes da puberdade, os meninos sofrem de enxaqueca com maior frequência do que as meninas. A idade média de início para os meninos é 7 anos, e para as meninas é 11 anos de idade.
Conforme se aproxima a adolescência, a incidência aumenta mais rapidamente em meninas do que em meninos. Isto pode ser explicado pela alteração dos níveis de estrogênio.
A enxaqueca na infância pode prejudicar significativamente a qualidade de vida de uma criança. Além da própria deficiência relacionada com a dor, crianças e adolescentes podem desenvolver ansiedade antecipatória, sabendo que a qualquer momento um ataque poderia perturbar a sua capacidade de ir à escola ou desfrutar de atividades sociais.
È bastante comum crianças deixarem ir a escola por estarem com dor de cabeça ou deixar de participar de alguma atividade no final de semana.
Crianças e especialmente adolescentes podem sofrer de um dos tipos mais incapacitantes da enxaqueca, enxaqueca crônica diária (CM). CM ocorre quando uma criança tem 15 ou mais dias de dor de cabeça por mês com duração superior a 4 horas, por mais de 3 meses. Muitos adolescentes com CM relatam dores de cabeça diárias mas a dor de cabeça não é o único sintoma da CM; outros sintomas da enxaqueca comuns incluem tonturas, perturbações do sono, ansiedade, depressão, dificuldade de concentração, e fadiga. CM é um desafio para tratar e prejudica seriamente a qualidade de vida da criança.

Sintomas da enxaqueca

O primeiro sintoma da enxaqueca é a dor de cabeça, mas na maioria das vezes a criança pode apresentar sintomas como mal-estar digestivo, falta de apetite, dor de barriga, diarreia, enjôo (náuseas), vômitos, hipersensibilidade ao toque do couro cabeludo (dói para pentear o cabelo, enxugar a cabeça ou quando alguém faz carinho na cabeça), tontura, moleza, letargia, sonolência, bocejos e até alterações do humor.

Diagnóstico da enxaqueca

O diagnóstico é feito através de um histórico do paciente, exame físico e por exclusão de outras explicações para os sintomas. Às vezes, testes de diagnóstico, tais como exames de sangue, EEG, punção lombar e neuroimagem também são usados ​​para ajudar no diagnóstico. Enxaqueca tende a funcionar nas famílias se um dos pais sofre de enxaqueca, há uma possibilidade de 40% de uma criança também sofrer mais se ambos os pais sofrem, a possibilidade sobe para 90%.
É importante analisar se existe um padrão para as crises de enxaqueca. Por exemplo, os ataques podem ocorrer após um passeio de carro ou quando o tempo muda. As meninas podem ter ataques associados com seu ciclo menstrual. Pais e filhos devem manter um diário de dor, data, hora, uma descrição da dor e dos sintomas, qual medicação ou de medidas foram tomadas para aliviar a dor, e o tempo e a natureza de alívio.Para algumas crianças, o sono por si só é um tratamento eficaz.

Tratamento para a enxaqueca

Há três abordagens gerais para o tratamento:
1. O tratamento agudo utiliza medicamentos para aliviar os sintomas quando eles ocorrem.
2. O tratamento preventivo utiliza drogas tomadas diariamente para reduzir o número de ataques e diminuir a intensidade da dor. Se uma criança tem três ou quatro crises de dores de cabeça incapacitantes por mês, o médico deve considerar o uso de medicação preventiva, que inclui alguns anticonvulsivantes, antidepressivos, anti-histamínicos, beta-bloqueadores e bloqueadores dos canais de cálcio. Às vezes, ervas e suplementos, tais como butterbur, magnésio, riboflavina, CoQ10, e matricária, são recomendados.
3. Tratamento Complementar não usa drogas e inclui técnicas de relaxamento (biofeedback, imagens, hipnose, etc.), terapia cognitivo-comportamental, acupuntura, exercício e descanso adequado e dieta para ajudar a evitar o ataque desencadeia. Para algumas crianças, comer uma dieta equilibrada, sem pular refeições, fazer exercícios regulares, e levantando-se e indo para a cama, ao mesmo tempo todos os dias ajudar a reduzir a freqüência de enxaqueca e gravidade.

Tags:, ,

Deixe seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *