Tipos de micoses diagnóstico

Tipos de micoses diagnóstico

0 Comentário
Doenças

O que é micose?
Micose é uma infecção de pele que é causada por um fungo chamado Dermatófito, este fungo se alimenta e sobrevive das células que estão mortas na pele.
Como todo fungo a micose é contagiosa podendo ser transmitida de outra pessoa, do solo, de um animal doméstico ou mesmo de um objecto qualquer que se encontre em casa.
A micose pode afetar qualquer pessoa de qualquer idade. Este fungo se prolifera devida a baixa imunidade, ou seja, ela pode ocorrer por um simples arranhão ou ferida ajudando o fungo penetrar na pele e no sistema humano.

Os tipos de  micoses
Pitiríase Versicolor – popularmente conhecida como pano branco, caracterizado por pequenas manchas esbranquiçadas que escamam. Podem estar agrupadas ou isoladas e normalmente surgem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto. Sua superfície tem uma descamação fina, com uma tonalidade variando entre branco, rosado e castanho, raramente coça.

Sintomas da Pitiríase Versicolor

micose pano branco

A pitiríase versicolor é um tipo de infecção que aparece como se fosse um revestimento fino de fungo na pele.
Sua principal característica é o surgimento de manchas descoloridas de pele, que, apesar de poderem ser assintomáticas, podem ser também: brancas, rosas, bege ou amarronzadas de crescimento lento om presença de escamas e eventualmente, acompanhadas de coceira.
Elas se tornam mais visíveis quando exposta ao sol,é mais comum nas costas, peito, pescoço e na parte superior do braço.

Tratamento para a micose Pitiríase Versicolor
O tratamento para a Pitiríase Versicolor é feito com antifúngicos comuns encontrados em farmácias, porem existem casos em que o paciente pode precisar de um medicamento mais forte, que deve ser recomendado por um especialista.
Mesmo após o tratamento bem-sucedido, a cor da pele que foi alterada durante a doença pode permanecer assim por várias semanas ou até mesmo meses. Além disso, a infecção pode voltar quando o tempo estiver quente e úmido. Em casos persistentes, o paciente pode precisar fazer uso de um medicamento uma ou duas vezes por mês para evitar que a infecção se repita.
Alguns medicamentos usados no tratamento são: Canesten, Clotren, Icaden, Itraconazol e Nitrato de Miconazol.
Estes medicamentos serão indicados por um profissional da saúde o qual poderá dizer o mais indicado para o seu caso, como a dosagem correta e a duração do tratamento e lembre-se NÃO se auto medique!

Tinha
È uma micose que apresenta manchas vermelhas de superfície escamosa bordas nítidas que coçam. Quando acometem os pés, é conhecida como Pé de Atleta, mas podem aparecer em qualquer lugar do corpo, nas crianças é comum aparecer no couro cabeludo, formando uma placa com crosta causando uma coceira intensa, parecendo que o cabelo foi cortado naquela região.

Sintomas de Micose Tinha

tinhas

A micose se caracteriza pelo surgimento de manchas brancas ou vermelhas que causam coceiras, tem a borda da lesão mais evidente e às vezes crostosa. Manifestam-se mais frequentemente em áreas de dobras (como axilas, virilhas, entre os dedos das mãos e pés), mas que também podem ocorrer em qualquer outra área do corpo. Quando acometem áreas entre os dedos, podem ocorre dor e fissuras.

Tratamento para Tinha
As micoses são tratadas com uma variedade de drogas antifúngicas. O tipo que você usa depende de onde a infecção está localizada e o quão grave ela é.
Para infecções superficiais, você pode usar um creme antifúngico. Infecções mais graves, incluindo aquelas que afetam as unhas, podem exigir comprimidos orais ou injeções. Muitos medicamentos antifúngicos são tóxicos para o fígado, de forma que os pacientes devem ser cuidadosamente monitorados.
Continue o uso da medicação pelo tempo indicado pelo médico. As micoses das unhas são as mais difíceis, o tratamento tem maior duração, podendo ser necessário manter a medicação por mais de doze meses. A persistência é fundamental para obter sucesso nestes casos.

Tipos de tinha
Pé-de-atleta: é causada pelo Trichophyton, Mycrosporon ou pelo Epidermophyton, fungos que podem crescer nas áreas quentes e úmidas localizadas entre os dedos dos pés.
Tinha crural ou tinha cruris: se desenvolve na virilha e pode provocar muita coceira. Esta infecção causa o surgimento de áreas vermelhas, anulares, sobre a pele em torno da virilha e na parte superior da face interna das coxas.
Tinha do couro cabeludo ou tinha capitis: é altamente contagiosa, especialmente entre as crianças. Pode causar uma erupção descamativa e eritematosa e até queda de cabelo.
Tinha das unhas: é uma infecção que atinge as unhas e, em decorrência de sua ação, a unha torna-se espessa, sem brilho e deformada.
Tinha corpórea :pode ocorrer em qualquer área da pele e causa uma erupção cutânea rosada ou vermelha que, algumas vezes, forma áreas arredondadas com zonas claras nos centros.
Tinha da barba: é rara e pode ser similar à tinha corporis, porém localizada em área de barba.

Tratamento para tinha
O tratamento para maioria das infecções fúngicas cutâneas citadas acima é feito com cremes antifúngicos, geralmente, é o suficiente, exceto as do couro cabeludo e das unhas.

Onicomicoses

Onicomicoses

São as micoses das unhas, tanto dos pés quanto das mãos, as unhas se tornam mais grossa e descolada, podendo haver mudança em sua cor e forma. Começa com uma cor clara e  pequena, conforme se espalha a cor se altera e a unha se torna mias espessa e frágil.

Tratamento da Onicomicoses
Os tratamentos podem ser de uso local, sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes. Em caso de acometimentos superiores a 30% de uma unha ou várias unhas acometidas ao mesmo tempo é necessário tratamento via oral também. A duração é, em média, de 6 meses, podendo chegar a 1 ano, pois depende do crescimento das unhas, que é lento. A persistência é fundamental para o sucesso do mesmo. O tratamento deve ser orientado por um dermatologista!
Evite a automedicação, pois ela pode mascarar sintomas. Não interrompa o tratamento antes do tempo recomendado pelo dermatologista, mesmo que ache que a unha melhorou, pois a infecção pode ainda estar presente e isso pode levar a cura incompleta.

Candidíase Angular (boqueira)
conhecida popularmente como “Boqueira” acomete crianças e adultos, principalmente os idosos, porque os cantos da boca vão caindo com o tempo, o excesso de saliva acumulado nos lábios superior e inferior , muitas vezes provocado por aparelhos ortodônticos  ou prótese mal ajustadas favorecem o aparecimento dessa infecção causada pela cândida.
A primeira micose que uma pessoa pode ter na vida é a micose conhecida o Sapinho, causada pelo fungo da cândida, que caracteriza o aparecimento de pequenas bolinhas brancas formando placas principalmente na língua. A cândida é fungo oportunista normalmente encontrado em ossa boca, intestino e vagina.

Sintomas de Candidíase Angular (boqueira)

Candidiasese Angular

Queilite angular. – A queilite angular pode se apresentar como uma fissura, rachadura, ulceração, vermelhidão ou crosta no canto da boca. As lesões não entram para dentro dos boca, limitando-se à junção da pele com a mucosa dos lábios. Como a pele do ângulo dos lábios está lesionada, a simples ação de abrir a boca pode provocar intensa dor e ardência. A lesões da queilite angular não costumam sangrar, mas podem se infectar, ficando bem inflamadas e com uma crosta de pus.
A queilite angular pode se tornar uma lesão crônica e persistente ou apresentar períodos de melhora alternados com agravamentos e retorno das lesões.

Tratamento para Candidíase Angular (boqueira)
A primeira parte do tratamento para curar a boqueira é tentar eliminar ou corrigir problemas que estejam propiciando o seu aparecimento. Em muitos casos a simples eliminação dos fatores de risco é suficiente para curar a queilite angular. Nos idosos, o uso de uma prótese dentária adequada pode ser a única medida necessária.
Em muitos casos, todavia, só conseguimos curar a boqueira com remédios. O uso de pomadas pode resolver o problema, mas é preciso antes investigar a presença de bactérias ou fungos nas lesões, pois a composição das pomadas muda conforme o germe que se quer tratar.
Se não houver infecção bacteriana ou fúngica, pomadas hidratantes e anti-inflamatórias, como óxido de zinco (presente no Hipoglós) ou Omcilon A Orabase são úteis. Cremes à base de vaselina também são uma opção.
Se houver infecção por fungos, pomadas com cotrimazol, nistatina ou miconazol podem ser usadas. Em alguns casos, o médico pode indicar o uso de comprimidos de fluconazol para ajudar na eliminação da lesão fúngica. Se houver infecção por bactérias, pomadas como a mupirocina estão indicadas. O tratamento da boqueira com pomadas é geralmente feito por 1 a 3 semanas.

Tags:,

Deixe seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *